A Costa Amalfitana é rica em histórias e lendas de heróis, ninfas e sereias. A mais famosa narra a história de Hércules, que se apaixonou pela Ninfa Amalfi.Depois de morta, Hércules a sepultou em um lugar que ele achava o mais belo de todos, a Costa, e sobre seu túmulo o herói construiu a nova cidade, Amalfi, circundada de mar e rochas, tornando assim sua amada imortal.

Ravello deriva de “Rebellum”, assim chamada por causa do seu modo independente. A cidade organiza anualmente no verão o renomado Festival de Ravello, dedicado a Richard Wagner e que inclui eventos de música clássica, cinema, literatura e obras de artistas de fama internacional, no Auditório Oscar Niemayer;

A Festa de São Pantaleão, o santo padroeiro de Ravello, é comemorada em 27 de julho, são dois dias de festa, que envolvem todos os habitantes da cidade e turistas com muita música, procissão e queimas de fogos que encerra o evento. Festa de Nossa Senhora das Dores de Torello. No final da festa litúrgica você pode assistir a uma queima de fogos única no mundo, diretamente da sacada do B&B Ravello Houses. É comemorada no segundo domingo de setembro.

Ravello foi  lembrada e imortalizada por Giovanni Boccaccio, poeta e fundador da literatura em prosa italiana no vernáculo que a inseriu na novela do Decameron, uma coleção de 100 contos escritos no século XIV, provavelmente em 1349 (ano seguinte ao da Peste Negra na Europa). A obra é considerada uma das mais importantes da literatura da Europa do século XIV: “Perto de Salerno  tem uma costa no mar, chamada pelos moradores de Costa de Amalfi, cheia de pequenas cidades, jardins e fontes. Entre as cidades havia uma que se chamava Ravello”.

Desde 1996, Ravello e a Costa Amalfitana foram transformadas em patrimônio da humanidade pela UNESCO. Em 1880 Richard Wagner fez uma passagem rápida por Ravello. Ao visitar os  jardins da Villa Rufolo encontrou um lugar que até então só existia em sua imaginação e o descreveu perfeitamente ao compor a letra e a música de seu último trabalho, “Parsifal", tanto que deixou escrito  no livro de visitantes: "Encontrei o jardim encantado de Klingsor". Não porque  ele estivesse procurando alguma razão ou desejo de inspiração, mas dando ao seu egoísmo de gênio algo que ele imaginava existir;  daí nasceu o Festival de  Ravello.

Ravello também é conhecida por hospedar visitantes ilustres, atraídos pelo charme do lugar. São artistas, músicos, atores, políticos e intelectuais, entre eles Greta Garbo, Joan Mirò, Eduardo de Filippo, Gina Lollobrigida, Humphrey Bogart, George Sanders,  Winston Churchill, Ingrid Bergman, Roberto Rossellini, Totò, Federico Fellini, John Kennedy, Barbra Streisand, Zubin Mehta, Paul Newman, Nicolas Cage, Steve Jobs, Hillary Clinton, Jacqueline Kennedy Onassis, entre outros.